quarta-feira, abril 13, 2011

Contracorrente



Dessas coisas que acabam e ainda mantemos flutuando. Flanando. Gerando revoluções fúteis. Desdobrando em desejos hipotéticos. Alimentando comportamentos egoístas e histriônicos. Reforçando as histerias pessoais.

Insistindo e persistindo n'algo que não irá, não dará, não fará nada além de prorrogar este longo caminho que é a superação de uma grande dor.

Filme dolorido, tão dolorido, quanto há muito não via.

2 comentários:

Egídio disse...

Tô com ele marinando um texto, mas ainda não consegui organizar e quando tentei escrever no impulso, não deu certo. Mas eu super concordo com você. Dolorido.

Rafael disse...

Caí no blog em meio às andanças virtuais e gostei. Textos belíssimos, parabéns!

Quanto ao filme; concordo contigo. Dolorido. Mas dolorido, talvez, no bom sentido da coisa...