quarta-feira, outubro 06, 2010

#3 B&S Piazza, New York Catcher (Dear Catastrophe Waitress)

"How many nights of talking in hotel rooms can you take?
How many nights of limping round on pagan holidays?
Oh, elope with me in private and we'll set something ablaze
A trail for the devil to erase"


Meu gostar de Belle and Sebastian sempre teve um quê de obscuro. Digo isso quando percebi, ali pela quinta vez, que ao me perguntarem qual era minha banda predileta e eu dizia Belle and Sebastian só recebia um humm de resposta. Quase sempre, em seguida, aquelas série de perguntas do tipo toca o que, toca na rádio, porque diabos você escuta uma banda que ninguém conhece?

Daí, nem dizia mais. Quando perguntavam, respondia Radiohead, Coldplay, Oasis, qualquer coisa assim mais palatável. Minha banda predileta tornou-se, de certa forma, clandestina.

Quando soube que em Juno haviam DUAS músicas do B&S, meu sorriso foi automático. Lógico que também gostei do filme em si, afinal de contas, Juno é arrebatador. Mas, vejam bem, gostaria do filme mesmo se não tivesse visto. Gostaria porque sabia que alguém ali também dividia o mesmo segredo, na mesma cumplicidade.

Meu gostar sempre foi referenciado. Minha primeira impressão sobre alguém sempre gira nas bandas favoritas, nos filmes que marcaram, nos livros que moram na cabeceira. Se Belle aparece na primeira conversa, não há como não passar ileso. Se também você foi tocado pelo dilema de Céline & Jesse, também ama Nara Leão, se Caio Fernando atravessa os dias soturnos, as doçuras agridoces de Manuel Bandeira: não há como não sorrir e, quem sabe, permanecer ali na esfera boa de bem querer quase que automática.

Meus melhores amigos fiz assim: assoviando "Don't worry be happy" nos corredores gelados da anatomia, discutindo Drummond num estado lastimável debaixo da pia, revendo Miguel Torga numa noite alta, bilhetinho de top 10 filmes num guardanapo de boteco. Acredito que seu reflexo é aquilo que lê, que escuta, que assiste. Se a forma que você se apresenta me atrai, trago para dentro da minha vida, abro as janelas, as portas, deixo a chave na portaria e mando pegar uma cerveja na geladeira.

Não que esse meu modus operandi não leve a descaminhos, bote-me em confusões. Quase nunca me arrependo, pois sempre vale a fagulha de beleza. Se você me diz que gosta de Belle, na facilidade de um primeiro encontro, ah... É impossível não se entregar.

2 comentários:

Rafael disse...

Acho Tigermilk sensacional! Desde a capa (linda) até cada uma das faixas. É meu CD de segunda de sol.
Não ´minha banda preferida, não tenho essa dedicação e esse conhecimento que você tem, mas somos iguais nessa coisa de se abrir todo quando nota pessoas que compartilham o mesmo gosto, seja pra livros, músicas, filmes, novelas ou seriados.
Texto muito bom.

Anônimo disse...

#3
Simple Things

If you want me, I'll be there
A boy to deal with all your problems
But part of the deal
Is for you to feel something

Abzs.