quarta-feira, setembro 08, 2010

Ausência

"Paper clips and crayons in my bed
Everybody thinks that I'm sad
I'll take a ride in melodies and bees and birds"


Se a presença domina e preenche, é a ausência que acaba por pontuar. E o bom quando não vira aquela ausência-inércia, aquela que sufoca sem permitir se movimentar. Pois bem, movimentar é o que tenho feito, até bem, nestes dias de ócio até produtivo. Tenho tomado cafés e visto filmes, tenho encarado as noites e bebido como se não houvesse amanhã - e, assim, ali pelo meio da noite o que vem a mente é: poxa, você entenderia como é raro Radiohead numa pista de dança. Você saberia o achado que é uma Stella Artois a R$ 1,79 no Pão de Açúcar ou, também, na falta que é não ter quem brincar do jogo do sério quando o assunto acaba no meio do bar. Quando chego, invariavelmente bêbado e sem cigarros bem depois que amanhece, ainda perco meia hora cantarolando um "eu ando sempre pra sentir vontade", olhando para o relógio e os calendários.

Dentro dos longos espaços que tenho tido, brotam coisas bonitas e simples, quase todas esqueço logo quando acordo. Vezenquando até penso em escrevê-las, mas, sei lá, tenho preferido dormir sorrindo e acordar, completamente desfeito, como só tivesse tido sonhos bons.

Um comentário:

abrazos disse...

When we dance Radiohead: Idioteque, Electioneering, Backdrifts, We suck young blood, There there......