sábado, agosto 07, 2010

(5)

Não dói. Nada fere. Poderia, pensei, se fosse há um ano atrás. Se fosse, talvez o calor sufocasse e eu perdesse as noites na varanda, pensando em tudo o que poderia ter sido e não foi. Ficaria assim, insone, cantarolando: "e quando eu me apaixonei não passou de ilusão" sem que ninguém por aqui entendesse. Agora, não. Não há nada, mal lembro, parece que foi há tanto tempo que resolvemos nos desvencilhar da dor e dos nossos corpos.

E isto deveria consolar? Acalentar? Não necessariamente.

Nenhum comentário: