quinta-feira, julho 02, 2009

Gripe suína for dummies

Vem cá: se essa gripe não mata ninguém, porque existe tanto vuco-vuco por trás?

Bem, ESSA gripe AINDA não mata. Existem tipos de gripe com mortalidade em torno de 30 - 50%. Toda vigilância serve para monitorar se / quando algo vai sair dos conformes. Porque, com tanto vírus rodando por aí, se ele sofrer uma mutação caprichosa, daí podemos ter uma gripe com mortalidade considerável. Nunca é demais dizer: a epidemia de gripe espanhola foi dividida em três fases. A primeira não matou ninguém, a segunda levou 20% da população.

Então, eu vou morrer?

Não. Vigilância serve mesmo para isso. Por enquanto, a taxa de mortalidade é baixíssima, menor que 0,1%. O problema é só para extremos de idade e portadores de comorbidades prévias, que sempre foram a população de risco para doenças virais respiratórias.

Tudo bem. Se eu tiver sintomas, corro para o hospital?

Depende. Se você não tiver febre, nem adianta levantar a bunda gripada da cadeira. Um dos critérios maiores para você suspeitar de H1N1 é febre. Também é preciso apresentar tosse e/ou dor de garganta.

Ok. Estou me sentindo assim. Corro para o hospital?

Depende. A última coisa necessária para a suspeita de H1N1 é algum vínculo epidemiológico, isto é: que você tenha contato com algum caso suspeito / confirmado ou vindo de regiões aonde a gripe está presente (no momento, mais de 120 paíeses incluindo Antilhas Holandesas, Fiji, etc).

Meu vizinho está doente, gripado. Vale?

Se ele não tiver histórico epidemiológico, não. Permaneça com a bunda gripada na cadeira.

Mas eu ando de metrô, vou ao cinema, etc. Se essa gripe está em todo lugar, como o Jornal Nacional fala, com certeza eu vou pegar!

O Ministério da Saúde ainda não considera que esteja tendo transmissão sustentada, ou seja, transmissão sem proximidade com caso suspeito ou confirmado ou do exterior.

Entrei em contato com algum casos suspeito / confirmado ou acabei de chegar do exterior. Não apresento sintoma nenhum. Preciso ir ao hospital?

Não. As orientações só valem para quem tem sintomas. Se você não está gripado, pra que vai no hospital?

Ah, mas eu queria ir só para desencargo de consciência...

Acredite, numa lista de coisas que médicos odeiam atender, pessoas com sintomas flu-like (= gripais) está com certeza no top ten junto com bolas na garganta que sobem e descem, formigamento nas mãos, etc. Ninguém passa seis anos na faculdade para ficar perguntando: teve febre? Tá tossindo? Garganta tá doendo? Médicos, normalmente, gostam da ilusão de estarem realmente salvando vidas. Então, se você não apresenta sintomas, não sobrecarregue os hospitais que já estão sobrecarregados para você tirar uma dúvida, pedir exames, etc. Compreendido?

Qual hospital que eu vou?

Um decente, de preferência. Esqueça aquele hospital de convênio vagabundo que você tem, com um médico, provavelmente, sub-empregado, recém-formado e sem residência. Veja a lista dos hospitais referenciados e vá em algum deles. Pelo menos eles tem discernimento e informação para conduzir seu caso suspeito de uma forma correta e sem muitos atropelos.

Mas eu sou chique, vou lá no Einstein, no Sírio...

Vai mesmo, dou todo o apoio. Só que aposto que lá está tão pandemônio quanto os públicos. Pelo menos, lá tem máquina de café e os funcionários fingem que se importam com suas reclamações de "tá demorando" e etc.

E o tratamento?

É com Tamiflu, um antiviral. Só está indicado para pacientes que possuem fatores de risco para evoluirem para um quadro mais grave.

Eu quero tomar. E aí?

Não pode, se não tiver indicação.

Mas eu sou chique, posso comprar. E aí?

Se fudeu. Devido a babacas como você, que tomam desnecessariamente o remédio e fazem pressão seletiva para o vírus ficar resistente a uma das poucas medicações disponíveis, o governo controla todo o estoque do Tamiflu. Ou seja, só toma quem o médico quiser.

Tá bom, vou conseguir no mercado negro...

Tudo bem. Mas tome antes de 48 horas do início dos sintomas, senão não serve para nada.

E o exame? Tô querendo fazer só pra saber se peguei isso...

Bem, também só faz o exame quem é considerado caso suspeito. O exame não está sendo feito de rotina. E antes que você pergunte, nem no Fleury você consegue isso "particular". Só poucos laboratórios credenciados de referência estão fazendo os exames.

Poucos laboratórios? Mas isso tá dando certo?

Não exatamente... Mas enfim.

Tudo bem. Entrei em contato com alguém suspeito que foi posto em quarentena. São quatro horas da manhã. Corro para o hospital?

Para isso e para qualquer coisa que você, por vez, sinta: ir a noite no hospital é só em caso de urgência. Médicos, não raro, já estão deveras mal-humorados após as onze horas da noite. Nem acham muito ruim de atender coisas urgentes, tipo infarto, derrame, parada cardíaca. Agora, nem tente se consultar por conta de uma gripe no horário pouco cristão após a meia-noite. Médicos tem técnicas sádicas de fazer o paciente se arrepender por tê-los aborrecido por bobagens fora de hora. Se você estiver espumando pela boca, os lábios estiverem azuis, daí a coisa é completamente diferente. Até mesmo porque, como falei acima, esta gripe raramente pode causar casos graves.

E...

Última coisa, sobre contato. Considera-se contato aquele indivíduo que você conversou a até um metro de distância. O vírus se propaga por aerossol na saliva e não costuma ir muito além desta imensa distância. Por isso, aquele seu coleguinha do andar de cima que está em isolamento e você nunca viu na vida, pouco provavelmente transmitirá a gripe para você.

Mas estou com medo, quero andar de máscara. Posso?

Lógico que pode. Mas é desnecessário, sem contar que é ridículo. A máscara cirúrgica funciona bem por intervalos curtos de tempo e para evitar contatos rápidos, mas ela não barra com tanta eficácia se utilizada por longos períodos.

Ainda estou com medo... Posso te fazer uma pergunta reservadamente, tipo na caixa de comentários aqui embaixo? Ou no Orkut? Ou no Twitter?

Não. Já me basta estar dentro do olho do furacão desta bendita pandemia somente pelo duvidoso prazer acadêmico, sem nenhum adicional financeiro. Se está realmente com dúvida, entre no site do Ministério da Saúde, do CVE, joga no Google, se vira nos trinta. Só não venha me encher o saco, pois não aguento mais falar sobre febres e corizas depois de doze longas horas ininterruptas fazendo isto no hospital.

Ah, mas larga de ser grosso. Você é médico, seu dever é proteger a população e etc...

[conversa com a minha mão]

Nenhum comentário: