quinta-feira, dezembro 13, 2007

The final round

O final round por Sampa não reservou muitas surpresas, afinal, essa rotina de pequenas obrigações e múltiplos atropelos me deixaram meio de mãos atadas - o que não impediu a caminhada habitual pela Paulista, desta vez quase chegando ao MASP e o Trianon, de tantas boas lembranças. Teve momentos de consumo compulsivo na Fnac da Paulista (de presente de-mim-pra-mim, o belíssimo cd novo da Fernanda Takai cantando Nara Leão, vejam só, vejam só), filme israelense num cinema mofado e deserto, busca vã no mar de produtos pirateados, quando o português até parece língua acessória.

Foram dois dias em ritmo de garoa: cidade atravancada pela chuva que ora molhava, ora só resfriava. Caminhei tanto na chuva, mesmo fina e chata, percebendo o tamborilar leve da água refletir no espelho tênue do asfalto. Caminhar na chuva sempre teve um quê de terapêutico: parece que, só de sentir aquele arrepio de quando a camiseta começa a encharcar, sinto-me mais vivo. Sinto que o coração bate, que o corpo reage, tudo palpita. E sigo melhor.

Dias cinzentos e um tanto melancólicos, na voz da Fernanda: em qualquer esquina eu paro, em qualquer botequim eu entro. E mesmo cinzas e melancólicos (tão Sampa, tão Sampa), com seu quinhão de beleza.

****

Se você perguntar: por onde anda meu coração? te respondo: não sei. Por aí, tão vago. Pelas ruas, pela neblina, pela garoa. Anda meio bambo, meio torto, meio gauche, como sempre foi. Não busca, não procura, não espera - só caminha de acaso a acaso, nessas indoloridades que não matam nem acrescentam. Algumas poucas aspirações, porém nada de novo: são aquelas que sempre existiram e persistem, irracionalmente, a despeito de todo tempo que se passa. Tem sono leve, quase irriquieto. Aquele jeito quase perdido de quem ferra em insônia toda madrugada em pensamentos febris.

Se ele volta? Digo que sim: mas só depois que a saudade se afastar de mim. Só depois que a saudade se afastar de mim.

****

A mensagem de final de ano, certeira: Coração Peludo, por Man In The Box.

****

"Catch me if I get too high
When I come down
I'll be coming home next year"
(Foo Fighters, anunciando o prenúncio do fim)

Nenhum comentário: