terça-feira, outubro 30, 2007

Fragmentos

Primeiro, o atordoamento.
Depois, a imobilidade.
Daí a negação, o fracasso.

E não sei de onde veio uma forcinha. Meio besta.
Daquelas mais sem esperança.
Da que eu não deveria ter.
Nem pensar.

Meio contra os princípios, sabe?
Mas o que hei de perder, além de tinta no papel
Um pouco de orgulho
E a possibilidade do reencontro.

Amanhã é dia de plantão
Madrugada a dentro, a fora.
Tanta gente grave nas minhas mãos inocentes.

Mas quinta vai chegar
O Sol pousará seu brilho certeiro.
Meio "Zero Grau de Libra":

"(abençoa) todos que continuam tentando por razão nenhuma – sobre esse que sobrevivem a cada dia ao naufrágio de uma por uma das ilusões"

"Mas para nós, que nos esforçamos tanto e sangramos todo dia sem desistir, envia teu Sol mais luminoso, esse zero grau de Libra. Sorri, abençoa nossa amorosa miséria atarantada"

E rezo, como se soubesse
Que quinta seja doce.
Que seja doce.

Nenhum comentário: