domingo, janeiro 22, 2006

Monstros

"I want to live in a world where I belong"
(Turn - Travis)

Não sei se este é mais um obstáculo ou se é o final da linha. Não sei se é mais uma daquelas variações súbitas de humor com um reflexo devastador naquilo que chamo de "minha auto-estima" ou "esperança de dar certo". Não sei se daqui dois dias lerei isto relembrando a minha eterna mania de supervalorizar aquilo que é negativo e como me desespero quando algo sai dos meus planos.

Mas a grande questão hoje é a incompreensão.

A impressão que tenho é que tenho um monstro comigo. Daqueles secretos e bem escondidos. Daqueles que moram no armário de vassouras, nas gavetas dos panos de prato. Apesar do monstro, convivo socialmente com o mundo e o fato do monstro quase passa desapercebido.

Mas ele existe.

E é só eu colocar alguém para dentro do meu círculo de pessoas confiáveis, abrir a porta do apartamento para que o monstro pule para fora. Só que o monstro pula nas minhas costas e eu não o vejo aparecer - não sei qual aparência medonha ele possui. Não sei qual artifício ele utiliza para afastar as pessoas, pelas quais estou me afeiçoando, para longe.

É sempre assim, é a mesma história. Tudo parece caminhar até um ponto que se sufoca. Até que virem as costas, bye bye so long e é só.

Tento fazer o melhor de mim e não basta. Nunca basta. E não sei se o meu melhor de mim que é errado, porque nunca me falaram. E não sei se só não sei ser o melhor. Nem o suficiente, o regular, o banal, o sofrível.

Até os amigos próximos estão partindo, em diferentes graus e formas. Os espaços vagos permanecem incapazes de serem ocupados. É o monstro, é o monstro, é o monstro.

E enquanto nada acontece, vou levando a vida. Contando as estrelas, organizando as fotos dos porta-retratos, até limpando o fogão vezenquando. Só esperando. Esperando por alguém que chegue, que diga que eu faço a diferença, faça questão da minha presença. Esperando compreensão. Esperando que todos que me cercam cumpram a promessa da raposa, no "O Pequeno Príncipe": eternamente.

Nenhum comentário: