sexta-feira, novembro 04, 2005

Quando a ficha caiu no meio do banho

Não temo o que o futuro me reserva. Dei uns decisivos passos para aquilo que poderei chamar de carreira profissional. Enquanto a vida corre em stand by, percebo a cada dia em como somos desimportantes para a grande maioria das pessoas e, no final das contas, quem está contigo está contigo pro que der e vier. Desencontros e incompreensões são inerentes da natureza humana e tentar se privar disso é o mesmo que se castrar das melhores coisas que poderiam acontecer quando se escancaram as portas e janelas. Um dia é da caça, outro é do caçador. E por aí se vai, bambo e torto, mas se vai.

Só que, apesar de transitório, é o presente que está me preocupando. Águas que passarão não movem moinhos. Algo me diz que devo fazer algo que conserte minha vida para agora. Difícil é saber por onde começar...

Nenhum comentário: