terça-feira, novembro 08, 2005

High

"When I see you sky as a kite
As high as I might
I can't get that high
The how you move
The way you burst the clouds
It makes me want to try"

Eu estava apaixonado e acabou. Simples assim? Sim, acho que o amor é uma coisa simples, nas linhas gerais.

E enquanto vou sendo regido pelo signo do desamor, coisas acontecem. Ligeiras, fugazes. Possibilidades que sorriem na janela. E eu sorrio de volta, porque por mais nublado que as coisas estejam, sempre achei que sorrisos devessem ser retribuídos com sorrisos. Algumas taquicardias, pequenas decepções. Outras taquicardias. Desses retalhos, vou costurando uma recuperação. Franca, forte e duradoura.

Disto tudo, ficou a certeza de continuar movimentando: batendo a cara nas portas, boemias pela madrugada, caminhadas ensolaradas apesar do dia sujeito a pancadas de chuva pelo final da tarde. Voltou o otimismo. Potencializou a coragem e a confiança. E apesar da mornidão e falta de perspectivas - de todas as encruzilhadas que se armadilham enquanto caminho - dá a vontade de repetir de novo.

Encontrei esta música por acaso e me deu uma vontade louca que fosse para alguém. Dedicar ao telefone, sussurar no ouvido, cantar junto enquanto passeio inocentemente pelos cachos dos cabelos.

Ligar de madrugada para falar: lembrei de você.

Ou qualquer outra insanidade de quem ama e para todos os outros não faz o menor sentido...

"And when I see you
Take the same sweet steps
You used to take
I say I'll keep on holding you
My arms so tight
I'll never let you slip away"
(High - The Cure)

Nenhum comentário: