quinta-feira, outubro 20, 2005

Blame the black star

"You were right about the stars
Each one is a setting sun"
(Jesus, etc - Wilco)

Essa madrugada me dá uma melancolia. Essa cerveja que tomamos também tem cá o seu efeito. Foxtrot Hotel, nesse quarto tão escuro, tão sozinho. É um CD que fala sobre a perda da inocência e como sentimos falta dela. Mentiras que são desejos. Últimos cigarros. Sobre morrer e voltar novo em folha. Sobre estar perdido. Corações congelados. Sobre perder. E sobre estrelas.

Everyone is a burning sun

Estrelas necessitam outro parágrafo. Estrelas que apagam, estrelas que explodem. Cada um, somos uma delas - decadentes e em renovação. Porque todos que me cercam estão sob maldição de uma triste sina: por eles tenho duas atitudes constantes, ora de desencanto, ora de redescoberta. Burning, setting, cada um ao seu tempo.

Por isto que é preciso tanta parcimônia comigo. Desculpe se magôo com meu silêncio, estas palavras atravessadas, esse desamor que eventualmente me rege. O importante é saber que eu sempre volto. Ao mesmo ponto. À redescoberta. Ao olhar tonto daquele que vê pela primeira vez.

Foxtrot Hotel me deixou triste como poucas coisas conseguem. Acho que só Parachutes, num dia nublado ou The Bends, por ser tão foda quanto é. Mas fico triste bem. Porque choveu tanto lá fora que não há estrela alguma no céu...

Nenhum comentário: