quarta-feira, janeiro 12, 2005

Brasília (again)

Brasília, por si só, é uma cidade fascinante (apesar de insana e confusa). Mas, dessa viagem, pouco aproveitei da cidade em si - os grandes lucros vieram das pessoas que conheci. Não exagero se falar que só encontrei pessoas maravilhosas, interessantes, cativantes. Que muito colaboraram para um início de ano bom e proveitoso, como também para testar as tais fatídicas resoluções e acertos de sintonia para o ano que se inicia.

Considero toda viagem uma boa oportunidade para se colocar em prática tudo aquilo que havia sido mastigado nas noites de insônia. Conhecer gente nova, em um lugar novo, é um reinício - sem erros e acertos pregressos. Também é a oportunidade de baixar a guarda de pesadas defesas que levanto no dia-a-dia e desfazer das muletas antigas que me sustentam enquanto as tempestades não passam. Com o saldo zerado, é só ativar uma defesa leve, básica e correr para o abraço.

E assim eu fiz. Como há muito tempo não acontecia, fui autêntico. Deixei as máscaras em Uberlândia e cheguei na cidade de cara limpa, leve. Dei a cara para bater e não apanhei. Diverti-me deliciosamente entre jantares chineses, W3 de madrugada, porres históricos no Sunset, truco (yes! finalmente aprendi a jogar truco), Esplanada de madrugada, conversas nonsense, revivais de infância. Resisti incólume a críticas-com-o-dedo-no-nariz, sem remorsos. Não cedi aos caminhos simples. Apaixonei-me, ainda que imobilizado. Sorri demais e mesmo os momentos de reflexão eram: por que tudo está dando tão certo?

Felizmente, não fiz tudo o que gostaria de ter feito. Sobraram outras pessoas fantásticas a serem conhecidas, lugares para serem registrados, entender a (i)lógica dos eixos e quadras, deixar-me cativar ainda mais por pessoas cativantes. Isto sinaliza um retorno em breve, assim que o tempo e as condições financeiras permitirem. Brasília foi histórica e inesquecível. Obrigado a todos* vocês.

* Será que eu lembro de todo mundo? Os colegas da Relpolblica, Éria, Dani, Pri, Joey, Renata (Luciana? Fernanda?) e a galera de REL em geral, Henrique, André, Hugo, Cedric, Paty. E especialmente ao Leo, meu guia turístico, contra-regras e "apoiador moral de reflexões filosóficas".

Nenhum comentário: